Grupo de estudos em Jornalismo e Gênero realiza II Colóquio Mulher e Sociedade

"A forma como nos organizamos em sociedade faz nascer as desigualdades de gênero”. Essa foi uma das declarações de Maria Iolanda de Oliveira, no painel temático do II Colóquio Mulher e Sociedade. O evento foi realizado pelo Grupo de Estudos em Jornalismo e Gênero do curso de Jornalismo da UEPG na manhã desta sexta-feira (8), em homenagem ao Dia Internacional da Mulher.

O colóquio aconteceu no grande auditório do campus central da UEPG, com apoio do Mestrado em Jornalismo e da Fundação Araucária. Uma apresentação musical, dos acadêmicos André Lopes e Rafaella Feola, do segundo ano de Jornalismo, abriu os trabalhos da parte da manhã.

A primeira palestra foi ministrada pela professora do Departamento de História da Unicentro, Luciana Rosar Fornazari Klanovicz, e teve como tema “Lutas pela cidadania das mulheres”.

Luciana falou principalmente sobre a luta das mulheres por mais espaço na sociedade e por melhores condições de vida. “Além das nossas lutas cotidianas, ainda temos muito por o que lutar”, afirma a professora.

Ainda de manhã, após uma pausa para café e bate-papo, foi aberto o painel temático com a presença de Maria Iolanda de Oliveira, do Núcleo de Estudos de Violência contra a Mulher de Ponta Grossa da UEPG; Suelita Rocker, do Instituto Lixo e Cidadania; Debora Lee, do Grupo Renascer e Marilza de Lima, representante do Movimento de Catadores de Materiais Recicláveis do Estado do Paraná. Além das palestras, também foi apresentada a exposição “Eu Queria”, do jornalista Rodrigo Czekalski.

O período da tarde foi reservado para o encontro científico, com apresentação de pesquisas em gênero, no pequeno auditório do Campus Central da UEPG. Na programação da noite, no Grande Auditório, a exibição do documentário sobre a Marcha das Vadias em Ponta Grossa, uma palestra sobre “Relações de Gênero e questões étnico-raciais” e o painel temático “Movimentos sociais e relações de gênero” encerram o evento.

Apoio