No dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos em New York fizeram uma greve a favor de melhores condições de trabalho. A manifestação foi reprimida com violência, resultando na morte de cerca de 130 mulheres. Quase 120 anos depois, em 1975, a ONU institui o Dia Internacional da Mulher como um marco histórico das lutas das mulheres pela cidadania.

O movimento feminista, conhecido como Marcha das Vadias, está na cidade. Esta semana, são promovidas oficinas, palestras, mostra de documentário, entre outros eventos, com o intuito de complementar e discutir sobre o movimento, bem como seu surgimento e repercussão. Para algumas integrantes da marcha, os eventos colaboram diretamente para a implementação do movimento na cidade. “Promovendo eventos, até para discutirmos sobre os direitos das mulheres, é importante para passar segurança aos demais participantes”, acredita Aline Cogo, representante da Marcha das Vadias.

No próximo sábado, dia 11 de agosto, a Avenida Vicente Machado e o Parque Ambiental serão palco de uma manifestação que ganhou proporções internacionais, a Marcha das Vadias. O protesto, que teve origem no Canadá em 2011, mas ganhou adeptos em todo o mundo, vai contra a violência contra as mulheres e em prol da igualdade de direitos entre gêneros.