O grupo de pesquisa de Filosofia de Comunicação, do prof. Círo Marcondes filho, organizou o evento que aconteceu em Sorocaba (SP) e reuniu cerca de 20 grupos de pesquisa para discutir táticas de como estabelecer pesquisas em grupo, como trabalhar conjuntamente pelas políticas na área da comunicação, e também como uma forma de compartilhar informações, inquietações e as pesquisas dos grupos. O evento contou com a participação de dois professores do Departamento de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).


O prof. Ben-Hur Demeneck participou dos três dias de evento. “No evento procura-se fazer uma rede com os comunicadores espalhados pelo país. Ter uma experiência de reunião com cerca de 60 pesquisadores a partir dos grupos de pesquisa quais participam, discutindo como eles procuram trazer algo de novo no campo da comunicação.”

O evento foi coberto pelas agências de financiamento então os pesquisadores não gastaram nada, o que estimulou a participação e também aumentou o grau de responsabilidade dosque participaram. O prof. Felipe Simão Pontes participou do primeiro dia do evento.

“Apresentei o grupo de pesquisa Jornalismo, Conhecimento e Profissionalização, que é do Mestrado de Jornalismo da UEPG, juntamente com a professora Paula Melani Rocha. Como ele foi criado este ano, fiquei responsável em apresentar as pesquisas do grupo e buscar parceiros para duas pesquisas que estão em encaminhamento em âmbito nacional. A primeira é sobre o perfil dos professores de jornalismo, e a segunda sobre uma rede que está se constituindo sobre os profissionais jornalistas no Brasil.” Explica.

“É muito interessante ver quais métodos são aplicados, que temas estão envolvidos ao redor do país. O formato do evento é o mais interessante, diferente de outros ele procura fazer um deslocamento dos espaços habituais de debates científicos, todos os pesquisadores dormiam, se alimentavam, e realizavam os debates no mesmo espaço. Além de ser um debate sério, você consegue ter uma imersão completa e conhecer as pessoas por imergir totalmente no local.” Conta Demeneck.